The Evil Within – Análise Completa

SOBRE O GAME
The Evil Within, conhecido no Japão como Psychobreak, traduzido seria O mal interior, se trata de um jogo exclusivamente single-player de Survival-Horror com elementos de Stealth que são ações furtivas. O game nasceu como o primeiro grande projeto da Tango Gameworks, desenvolvedora fundada em 2010 por ninguém menos que o mestre dos mestres, Shinji Mikami, o homem conhecido como o Pai do Survival Horror por criar de uma das melhores sagas que eu já joguei até hoje, e que atualmente estou analisando no meu canal, a saga Resident Evil. Anunciado em abril de 2012 com Shinji Mikami como diretor, o jogo chegou a mudar de nome que anteriormente era Project Zwei, e passou por várias mudanças ao longo de sua produção, na localização de objetos ou lugares nos cenários, e principalmente no quesito gráfico que era extremamente criticado sendo que ele ainda estava em sua versão Beta. O game foi distribuído pela Bethesda, e foi lançado em 14 de outubro de 2014 com versões para X360 que foi a que eu joguei, XOne, PS3, PS4 e PC.

ENREDO
Então vamos começar falando do Enredo, podem ficar tranquilos que não vou dar spoilers, já que esse é um dos pontos mais fortes do game, e eu não quero estragar a jogatina de ninguém. No jogo você controla Sebastian Castellanos, um homem de 38 anos que trabalha como Detetive no Departamento de Polícia de Kirmson City, que é a cidade onde o jogo se passa. Sebastian tinha uma carreira exemplar, mas sua vida foi arrasada por um terrível acontecimento, onde acabou se afundando na bebida, pois pelo seu ponto de vista esse era o único meio de lidar com a situação. Quando Sebastian estava prestes a perder seu distintivo e entrar em depressão, seu melhor amigo Joseph Oda, que já trabalhava com ele á alguns anos não o abandonou, e na tentativa de mantê-lo na ativa e ao mesmo tempo salva-lo de si mesmo, relatou Sebastian para Casos Internos, salvando assim a sua carreira, mas uma enorme pressão ficou entre a amizade dos dois.

Uma nova Detetive chamada Juli Kidman, havia sido transferida para o Departamento do Sebastian, e então passou a trabalhar ao lado deles. Juli misteriosamente perdeu as memórias de seu passado e não se lembra de sua infância. Ela não tem nenhuma lembrança de seus pais, onde ela nasceu ou cresceu, ou como chegou a onde está. Mas diz não se importar com isso, e que sua única preocupação é o que ela tem que fazer agora, o que é muito estranho.

Sebastian e seus 2 parceiros Joseph e Juli estavam em um carro de polícia quando receberam um chamado para se dirigirem ao Hospital Psiquiátrico Beacon, pois lá houve um massacre brutal e várias pessoas morreram. Uma curiosidade é que esse Hospital em si foi inspirado na misteriosa Mansão Winchester, resumindo a história dessa casa é que uma mulher chamada Sarah se casou com o filho do fabricante dos Rifles Winchester, e quando ele morreu, a casa dela foi amaldiçoada pelos espíritos das pessoas que foram mortas por esses Rifles, então ela passou a vida construindo quartos na casa para eles, do jeito que eles falavam, com corredores tortuosos, um labirinto de escadas e portas levando a lugar nenhum, isso durante 38 anos, até ela morrer. Agora voltando ao The Evil Within, Sebastian, Joseph e Juli chegam no Hospital e encontram várias viaturas abandonadas, e dentro do Hospital muitos cadáveres espalhados pelo chão. Um pouco mais adiante eles encontram um dos médicos do Hospital chamado Marcelo Jimenez, que está vivo mas muito

desorientado, e apenas diz algo sobre Ruvik. Ruvik é o vilão principal do jogo, ele é ultra over-power, com super velocidade, se tele transporta, tem super força e controla todas as criaturas do game, agora como ele faz isso e porque só é revelado durante o jogo. Outro personagem que também faz parte da história é um Garoto chamado Leslie Withers, Leslie foi abandonado por seus pais quando criança, mas ele não sabe disso e sonha com o dia em que ele vai se reunir com sua família. Ele era um Paciente do Hospital e delira o tempo todo dizendo coisas sem sentido, mas de alguma forma bizarra ele parece ter algum tipo de poder sobrenatural também. Joseph pede para o Sebastian checar as câmeras de Segurança, pra ver se encontra alguma pista do que está acontecendo, lá ele vê 3 policiais atirando no Ruvik, que os mata com muita facilidade, e ao perceber que está sendo vigiado pelas câmeras, ele aparece atrás do Sebastian e o captura, e quando ele acorda já está vivendo o Pesadelo na terra, e é ai que o jogo começa. A História do jogo é bem mais complexa do que isso, e é até muito confusa no começo, mas depois você começa a ter uma ideia do que esta acontecendo. Nesse quesito ele lembra bastante Silent Hill 4: The Room, pois é um jogo que foi pensado exatamente para nos confundir, com joguinhos mentais acontecendo o tempo todo. Eu vi muita gente criticando o jogo por não ter entendido a história, pois esses gamers de hoje em dia estão acostumados a ter tudo mastigado, a história é confusa mas o game te dá pistas o tempo todo, e só depois de você zerar, apenas jogando novamente que você consegue entender melhor tudo o que o jogo está dizendo, é tipo o filme Ilha do Medo, depois que assistimos até ao final, nós revemos o filme de outra maneira. Além das Cutscenes para contar a história, temos também os documentos encontrados no jogo, como Jornais, cartazes de pessoas desaparecidas, arquivos de aúdio e diários. É essencial que você leia, pois muitas coisas sobre o enredo são reveladas, e tem também os Diários do Sebastian, que contam coisas sobre o Passado dele. É uma pena que o jogo está sem legendas em Português, então pra quem não entende inglês, fica difícil acompanhar a história que já não é das mais fáceis de se entender.

JOGABILIDADE
The Evil Within é um jogo muito difícil, e pra melhorar ainda mais a jogabilidade não facilita as coisas, Sebastian anda de um jeito muito travado e lento, e isso propositalmente pra aumentar a dificuldade do jogo. No canto superior esquerdo da tela temos o medidor de Vida que pode ser reestabelecido com Seringas e Kit’s médicos, e o de estamina que determina por quanto tempo você pode correr, mas no inicio esse medidor é super curto, e você só pode correr por uns 3 segundos, até o Sebastian parar pra descansar, o que te deixa vulnerável para ataques dos inimigos, mas durante o jogo você vai fazendo Upgrades pra melhorar isso. Ao usar um Kit médico ele cura 95% do seu HP e aumenta o máximo da sua barra de vida, MAS você fica meio tonto por conta da medicação forte, e o Sebastian começa a andar cambaleando e a visão dele fica embaçada, o que também te deixa ainda mais vulnerável aos ataques dos inimigos.

A munição do game é muito escassa, e tem horas em que você está cercado de inimigos, e não tem nada pra se defender, além do mais os ataques físicos do Sebastian são muito fracos, mesmo depois de fazer Upgrades na sua força, então a única solução é usar o Stealth e a estratégia. Nessas horas podemos pegar Garrafas que ficam jogadas pelo cenário, que podem ser usadas como distração, ou como armas improvisadas. Munição para as armas podem ser achadas se você quebrar caixas espalhadas pelo cenário, mas isso faz barulho e pode atrair os monstros até você. Tem também as

Armas brancas como Machados e tochas, que com um golpe matam os inimigos mais comuns, mas só podem ser usadas uma vez. O Stealth no jogo é essencial se você quiser sobreviver, na tela tem um olho que indica se os inimigos te encontraram ou não. Se ele estiver meio fechado se movendo de um lado pro outro quer dizer que eles estão te procurando, agora se ele ficar aberto então eles já te viram e estão indo te matar. Os ambientes do jogo são bem escuros, e o Sebastian tem uma lanterna pra iluminar, mas isso pode atrair os inimigos. Eles também são atraidos por barulho, ou se te verem, e para fugir deles você pode tentar matá-los ou se esconder em armários ou até mesmo embaixo de camas, o que deixa um clima meio Outlast. Tem também os fósforos que podem ser usados contra os inimigos, pois a maioria deles tem uma certa fraqueza com fogo, e se tiver mais deles em volta do que está queimando, estes também irão morrer. Pelos cenários temos que tomar cuidado também com as armadilhas, se você cair em alguma com inimigos por perto eles vão te escutar e irão atrás de você. É sempre bom você desarmá-las pois elas te dão peças que podem ser usadas para fazer munição pro Crossbow. Falando já das armas disponíveis nós temos um arsenal bem Old School, Revolver, Magnum, Shotgun, Rifle, granadas de mão, além das armas secretas como Metralhadora, Bazooka, Pistola Automática, e até mesmo um Soco Inglês, que são desbloqueadas após você completar certos requisitos, como pegar uma certa quantia de colecionáveis, completar o game na maior dificuldade, emfim. O Crossbow possui 5 tipos de munição, sendo 2 deles exclusivos pra quem fez a pré-venda, e é super efetivo contra os inimigos, por isso é sempre bom guardar ele pras ocasiões mais tensas. No game temos também o lugar onde salvamos nosso progresso, que é no próprio Hospital. Quando estamos jogando e escutamos Clair de Lune, do compositor Debussy, já podemos se sentir aliviados pois é ali que fica a sala que nos tele transporta até o Hospital, e essa é uma clara referência á saga Resident Evil com suas belíssimas e calmantes músicas de salas de salvamento. Para irmos até o Hospital, basta entrarmos nessas salas e olharmos para um Espelho, lá temos a misteriosa Enfermeira Tatiana, que é outra clara referência á Lisa do Silent Hill. Sebastian também tem seu quarto, mas ao lado também tem outros quartos com outras pessoas dentro. Lá também tem uma espécie de Cadeira elétrica que é onde fazemos nossos Upgrades, usando um tipo de Gosma verde que encontramos durante o jogo. Tem também uma sala cheia de Cofres, que você pode abrir eles usando Chaves encontradas durante o jogo, e dentro deles você pode achar Munição, Itens médicos ou até mesmo uma boa quantidade daquelas Gosmas Verdes que você usa pra fazer Upgrades. Esse Hospital seria um tipo de porto seguro criado pela mente do Sebastian, onde ele iria pra se proteger e salvar suas memórias, sempre voltando mais forte, dai os Upgrades, e ele só consegue ir ali quando se olha no espelho, assim conseguindo encontrar esse ponto seguro da sua mente. Outro fator é que quanto mais nós avançamos no jogo, mais esse Hospital se encontra destruído, pois o Sebastian passa por tanta coisa que até esse Ponto seguro da sua mente é afetado. Agora a razão pra ele conseguir fazer isso, só é revelado durante o jogo, isso se você prestar atenção.

Vamos falar agora dos inimigos presentes no Game, todos eles são um reflexo do seu criador, os mais comuns que são os Assombrados, a origem deles eu não posso dizer pois seria Spoiler, eles são bem grotescos e inteligentes, eles podem vir desarmados ou usando armas brancas como facas que são os mais rápidos, ou até mesmo marretas que são lentos mas muito fortes, e alguns deles usam armas de fogo, como pistolas ou snipers, estes aparecem mais em uma certa parte do jogo em que mais ou menos 3 capítulos são focados mais no tiroteio, deixando de lado um pouco o terror.

Tem também o AlterEgo, um monstro de 3 cabeças que é bem lento, mas se ele te ataca causa muito dano, ele também se parece muito com a Parasite Woman, uma inimiga descartada do Resident Evil 4.

Outro inimigo muito forte é o Trauma, este seria o reflexo do seu criador sobre Religião, por isso parece que ele está carregando pedaços de uma cruz nas costas. Ele é cego, mas tem uma audição melhor do que a de todos os outros inimigos, e na maioria das vezes se você ver ele é melhor não tentar enfrentá-lo, pois é necessário gastar muita munição contra ele pra matá-lo, e as vezes tem 2 deles rondando pelo cenário, por isso compensa mais passar despercebido nessas partes.

Outro inimigo muito irritante é o Doppelganger, ele é como se fosse um clone do Ruvik só que mais fraco, quando ele te vê ele começa a gritar chamando todos os Assombrados pra te matar, além de invocar um dos Chefões do jogo, a mulher aranha, ela tem um nome mas eu não posso dizer qual é, seus ataques são muito fortes e ela é muito rápida, seu ponto fraco é o fogo, e você pode até atirar nela pra fazê-la recuar, mas é perda de tempo, o negócio mesmo é fugir quando ela aparecer. O nome dela e a razão da sua forma física só é revelado durante o jogo.

Falando agora dos Chefões, que são vários não apenas um como em Resident Evil que nós temos o Nemesis, ou em Silent Hill que nós temos o Cabeça de Pirâmide, em The Evil Within temos que nos preocupar com vários Chefões, como a Mulher Aranha, o Sádico, que é um monstro de mais de 2 metros que Mata e leva os corpos de suas vítimas para o seu açougue humano, referência ao Massacre da Serra Elétrica, a origem dele também é um reflexo da mente do seu criador.

E temos o Guardião, um monstro com mais de 2 metros, que tem no lugar da cabeça um cofre e usa uma marreta de carne pra te atacar. Não existe apenas um Guardião, e pra matá-lo é preciso destruir o cofre, e não o corpo do Humano, sua origem é uma mistura de um segredo dentro de um cofre, e fazer de tudo para não deixar ninguém chegar perto dele.

GRÁFICOS
O gráfico do jogo é muito bom, o motor gráfico usado é o ID TEC5, criado pela ID Software, a vantagem desse motor é que pode ser renderizado sem tem que reescrever as linhas de código para cada plataforma, então quando você cria o game, automaticamente você já está criando ele para PS3, PS4, XOne, X360, PC enfim, é muito prático porque não precisa fazer nenhum port de uma plataforma para a outra, então há uma maior rapidez no desenvolvimento. A ambientação do game é incrível, com uma grande variedade de cenários como florestas, ambientes abertos como a cidade completamente destruída, deixando um clima bem apocalíptico, isso com um nível imenso de detalhes, eu só tenho que aplaudir mesmo, pois nesse quesito o jogo acertou em cheio. O problema é que o jogo está com um Delay de renderização nos cenários, pelo menos na versão do X360 que foi a que eu joguei. Digamos que você olha pra uma poça de sangue, mas vê ela meio embaçada, e após meio segundo ela melhora a qualidade pois a textura dela ainda estava carregando. Muitas pessoas dizem que o jogo está cheio de Bugs, mas enquanto eu jogava apenas uma vez eu vi um inimigo preso embaixo de um elevador, todo bugado no chão tremendo, fora isso não teve nenhum outro bug. O jogo nos Consoles tem uma tarja preta na tela, os desenvolvedores disseram que isso foi para deixar o jogo parecido com um filme, eu não vi problema nisso, mas muita gente reclamou, e apenas nos PCs teve uma atualização que permite você tirar as tarjas pretas ou não.

TRILHA SONORA
A trilha sonora do jogo é incrível, o jogo foca bastante nos sons do cenário, aproveitando o silêncio pra deixar um clima de terror como em todo bom Survival Horror, as músicas aparecem mais nas batalhas contra os chefes, mas são todas incríveis.
Outra coisa que vale ressaltar sobre a parte sonora é a Dublagem, que é espetacular, os desenvolvedores contrataram Dubladores profissionais, experientes no ramo do Terror, como o Jackie Earle Haley, que dubla o Ruvik. Pra quem não sabe, esse é o ator que fez o Freddy Krueger no filme a hora do pesadelo de 2010. A Juli Kidman é dublada por ninguém menos que a Jennifer Carpenter, que fez o filme o Exorcismo de Emily Rose. Então The Evil Within caprichou nesse quesito, pois não só contrataram Dubladores profissionais, mas que já estavam familiarizados com o gênero de terror para fazer as vozes.

CONCLUSÃO
Atualmente o jogo vendeu aproximadamente 1 milhão e 600 mil cópias, e suas notas ficaram entre 7 e 8 nas reviews mundiais.
The Evil Within é um jogo com uma história incrível, e uma ambientação espetacular, além de ter sua parte sonora muito bem caprichada, e mistura elementos de vários jogos de terror conhecidos. Se você gosta de games de Survival Horror, com certeza deve jogar esse jogo, pois ele é muito bom e vale muito a pena.

Assistam também a análise completa em youtube.com/jrgamesbrx

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.